Autoestima e Autoconfiança – Saiba a diferença

 

Você acha que existe alguma diferença entre autoestima e autoconfiança?

Será que é possível uma pessoa sofrer com autoestima baixa e, ao mesmo tempo, possuir autoconfiança? Quais as consequências emocionais que cada um desses sentimentos trazem para nossa vida?

Se você quer saber mais sobre esse assunto, acompanhe esse meu artigo que escrevi especialmente para você. Eu vou falar um pouquinho sobre essa diferença entre autoestima e autoconfiança e como a falta de cada uma delas pode afetar sua vida.

Vamos lá?

Autoestima e Autoconfiança – Saiba a diferença

Embora a autoestima e autoconfiança pareçam a mesma coisa, elas são, na verdade bem diferentes uma da outra. No entanto, é muito comum vermos as pessoas se confundirem com relação a esses sentimentos.

Aliás, ter o autoconhecimento do problema que você está enfrentando é o primeiro passo para a sua superação ou cura.

Sendo assim, vamos compreender a diferença entre autoestima e autoconfiança e veja se você sofre pela falta de algum deles.

Autoconfiança

 

A autoconfiança é quando você tem confiança em si mesma para realizar alguma coisa. É quando você se sente apta ou capaz de fazer determinadas coisas, superando dificuldades.

Além disso, uma das formas de crescermos em autoconfiança é de acordo com o sucesso que obtemos nos resultados do que nos propomos a realizar.

Imagine que na infância, uma pessoa tenha levado muitos tombos enquanto aprendia a andar de bicicleta. Imagine que a mãe dessa criança, super protetora, começa a gritar cada vez que vê o filho se aproximar de uma bicicleta: “Não suba aí, você vai se machucar!”

Até que com o tempo, o menino acaba deixando isso de lado e desiste da ideia de aprender.

Depois de grande, como seria sua autoconfiança dessa pessoa diante de uma bicicleta? Com certeza estaria abalada e comprometida.

Agora, imagine outra criança, passando essas mesmas dificuldades comuns ao aprender andar de bicicleta – tombo atrás de tombo. Imagine também que sua mãe se manteve incentivando seu filho a continuar, repetindo que ele era capaz – apesar dos tombos – e, dessa forma, evitando que ele desistisse de aprender.

A cada tentativa, a criança segue adquirindo maiores habilidades na arte de andar de bicicleta. Quando se tornar adulto, qual será seu nível de autoconfiança diante de duas rodas?

Consegue comparar os dois exemplos? Sem dúvida alguma, no segundo exemplo vemos alguém que acredita ser capaz de andar de bicicleta. Isso aconteceu, porque ele conseguiu superar as fases de dificuldades, tornando-se apto a tal prática.

Já no primeiro exemplo, temos alguém que tem em suas lembranças apenas o fracasso de ter caído várias vezes, além da voz de sua mãe dizendo para parar. Não houve tempo para que ele experimentasse as sensações de ter tido sucesso em seu aprendizado.

É claro que existem vários meios de se desenvolver a autoconfiança para determinadas coisas, não somente experiências de infância. Uma pessoa pode ter tido uma sequência de experiências ruins em seus relacionamentos amorosos e isso pode acarretar a perda da autoconfiança nessa área.

O fato é que com a ausência de confiança é praticamente impossível chegar a algum lugar. Se você não tiver autoconfiança para fazer um simples bolo de chocolate, você jamais irá conseguir fazer um bolo de aniversário.

Se você não se acredita capaz de desempenhar determinada tarefa, dificilmente você a concluirá.

Autoestima 

Você já deve ter ouvido falar em pessoas com autoestima alta e autoestima baixa, não é mesmo? Mas você sabe defini-la, afinal?

Bem, a autoestima está diretamente relacionada com o quanto você pode amar-se a si mesma ou o que você sente com relação a si mesma enquanto pessoa.

Quando falamos em autoestima, é o quanto você se sente importante, especial e até mesmo querida. Isso independe do quanto você já realizou ou não.

Independe se você tenha autoconfiança em determinadas áreas de sua vida ou não. A autoestima faz com que você esteja bem consigo mesma independente das circunstâncias.

Você está bem com aquilo que você é.

O problema é que existem muitos fatores externos que contribuem para diminuir nossa autoestima, e isso inclui até mesmo pessoas que nos colocam para baixo com palavras negativas.

Por outro lado, a autoestima pode ser trabalhada, e se você tem problemas com a forma como se olha para si mesma, saiba que isso pode ser trabalhado e revertido em seu favor.

A falta da autoestima ou a baixa autoestima é algo que pode trazer bastante sofrimento à pessoa, pois ela não se acha merecedora da felicidade. A pessoa com a autoestima baixa está propensa a se autosabotar o tempo todo, aumentando ainda mais o seu sofrimento.

Com isso, ela pode entrar em um ciclo de derrotas pessoais. Acreditando que ela não merece o melhor, a pessoa com autoestima baixa acaba atraindo para sua vida as coisas mais insignificantes. Isso, porque ela se sente alguém sem significância comparada com as demais.

Lidando com autoestima e autoconfiança

Podemos compreender que é a conjugação da autoconfiança e da autoestima que irá promover uma evolução pessoal no sentido global de nossas vidas. Assim sendo, você pode trabalhar a sua autoconfiança e continuar tendo problemas de autoestima.

Ou vice versa. É preciso, portanto, trabalhar ambos com o propósito de alcançar um equilíbrio emocional que faça você superar dificuldades e realizar-se enquanto pessoa.

Além disso, precisamos ficar atentos para que um não seja o sabotador de outro. Você pode ter problemas de autoconfiança em determinada área de sua vida, mas isso não pode ser suficiente para abalar sua autoestima.

Você pode, por exemplo, ter organizado um evento que tenha trazido resultados extremamente negativos a você, diminuindo sua autoconfiança para um próximo evento.

Mas isso não pode ser suficiente para abalar sua autoestima e a forma que você se sente especial e querida. Consegue perceber?

Isso significa que por mais que você erre ou que perca a autoconfiança em determinadas áreas de sua vida, isso não pode abalar o quanto você se ama. É como se comparássemos ao amor de uma mãe, por exemplo.

Não importa o quanto os filhos errem, seu amor por eles permanecerá inabalável.

Resumindo, enquanto a autoconfiança está ligada a ações específicas, a autoestima está relacionada a você como um todo.

Assim sendo, possuir autoconfiança é o quanto você confia em si mesmo para desempenhar determinadas tarefas; a autoestima é sobre o quanto você se valoriza.

Aprenda a desenvolver sua autoestima e autoconfiança

Já vimos a diferença entre autoestima e autoconfiança. Vimos também que uma não depende da outra, mas que as duas podem conjugar-se, fazendo com que você se torne uma pessoa plena.

A boa notícia que tenho é que tanto a autoestima quanto a autoconfiança podem ser trabalhadas e desenvolvidas.

O Ebook Autoconfiança de Aço mostra tudo que você precisa saber para liberar o potencial de transformação que existe em você, mesmo que hoje você acredite que não seja possível transformar a sua vida em nada.

Assim sendo, não importa as experiências que levaram você à perda de uma delas – ou de ambas.

Através de trabalhos específicos é possível levar você de um estado de emoções negativas para um estado completamente diferente, onde você não somente volte a ter confiança em si mesma como aprender a se amar.

Eu gostaria de convidar você para vir fazer o workshop de Autoestima em SP comigo, será um grande prazer viver esta jornada com você 🙂

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *